Casa de 70 anos onde homem nasceu e viveu em Porto Alegre é demolida por causa da enchente: 'A história da gente passou'

  • 16/06/2024
(Foto: Reprodução)
Casal de moradores do bairro Sarandi, na capital, abandonou a residência em 4 de maio e vive de serviço desde então. Imóvel, que era de madeira, não pôde ser recuperado. Casa de 70 anos onde homem nasceu em Porto Alegre é demolida por causa da enchente Casa de 70 anos onde homem nasceu em Porto Alegre é demolida por causa da enchente As enchentes que atingiram Porto Alegre levaram à demolição de uma casa de cerca de 70 anos, onde o morador Silvio Luiz de Souza, de 67 anos, nasceu e morou durante toda a vida. A residência estava localizada no bairro Sarandi, o mais atingido da capital, com 26.042 afetados. 📲 Acesse o canal do g1 RS no WhatsApp O aposentado vivia na casa com a esposa, Vera Maria de Souza, de 68 anos, e precisou abandonar o local em 4 de maio, após o extravasamento do dique do Arroio Feijó durante a madrugada. Um mês depois da inundação, poucas coisas foram salvas além das memórias. Casa de Silvio Luiz de Souza é demolida no bairro Sarandi após 70 anos Arquivo pessoal/Luiz Henrique Rodrigues de Souza "[Meu sentimento] foi de que não adiantava mais nada, porque o que tinha lá dentro já foi, né? Agora a história da gente passou. Agora a gente tem que resolver montar outra história", revela. "Eu nasci ali, eu jogava bola. Brincava, jogava futebol na rua. Foi uma infância gostosa", complementa Silvio. A demolição ocorreu em 8 de junho, quando a água baixou, e foi necessária porque a inundação chegou próxima ao teto, estragando o imóvel, que era de madeira. Os cupins consumiram a estrutura, e os pisos e as paredes começaram a cair. Uma retroescavadeira foi emprestada para a operação. Imóvel de 70 anos no bairro Sarandi ficou inundado Arquivo pessoal/Liamara Souza e Luiz Rodrigues de Souza Mesmo com as cheias, a água nunca havia chegado até a casa da família. O morador relata que o nível mais próximo em que uma inundação se aproximou da residência foi em 2013, quando as cheias chegaram à esquina da rua onde morava. "Eu me sinto assim, meio anestesiada, sabe? Parece que eu estou em outro mundo. É uma sensação que eu não desejo para ninguém. Tu vê tudo, todos os anos que tu construiu as coisas indo por água abaixo", lamenta a esposa, Vera. A família conseguiu retornar ao imóvel no dia 1º de junho, quando a água ainda atingia a altura da canela. Porém, o acesso definitivo foi mais de um mês depois, em 6 de junho, data em que avaliaram os prejuízos e salvaram parte das louças. Destroços de casa de 70 anos no bairro Sarandi Arquivo pessoal/Luiz Henrique Rodrigues de Souza No momento, o casal vive de favor na casa dos sogros do filho até conseguir uma moradia definitiva – um planejamento que segue em aberto. Os filhos, Luiz Henrique Souza e Liamara Souza, seguem com um financiamento coletivo aberto nas redes sociais para ajudar os pais. "A gente não tem mais nada. Meus pais, graças a Deus, foram acolhidos por uma família. Eles estão na casa dessa família, aguardando até a gente conseguir reconstruir alguma coisa, alguma casa, umas peças, enfim, conseguir móveis, tudo, né, porque é do zero", afirma a filha do casal, Liamara. Justiça determina plano da prefeitura A Justiça exigiu, na noite de quarta-feira (12), que a Prefeitura de Porto Alegre apresente um plano de ação em áreas atingidas pelas enchentes e pelos temporais na capital, mesmo que provisório. O prazo foi de 10 dias, e não há punição prevista em caso de descumprimento. Trevo da BR-290 sobre a Avenida Assis Brasil, entre Porto Alegre e Cachoeirinha (ao fundo) Reprodução/TV Globo A determinação foi do juiz Thiago Notari Bertoncello, da 7ª Vara da Fazenda Pública do Foro Central de Porto Alegre. O magistrado ordena que o município esclareça quais ações já foram tomadas e o que ainda deve ser feito. O despacho menciona a necessidade de uma "prova pericial complexa" para compreender o que causou a falha do sistema anti-cheias na capital, bem como compreender se houve eventuais erros de agentes públicos. O nível do Guaíba, na Usina do Gasômetro, em Porto Alegre, atingiu 5,35 metros em 5 de maio, superando a enchente histórica de 1941. Números da tragédia no RS Os temporais e as cheias que atingem o Rio Grande do Sul já deixaram 176 vítimas, segundo o boletim da Defesa Civil de sexta-feira (14). 39 pessoas estão desaparecidas e 806 ficaram feridas. O órgão afirma que 433,5 mil pessoas estão fora de casa – 10,7 mil em abrigos e 422,7 mil desalojadas (em casa de amigos e parentes). Dos 497 municípios do estado, 478 registraram transtornos relacionados aos temporais, afetando mais de 2,3 milhões de pessoas. 'Cemitério de carros' após enchente no RS Reprodução/RBS TV VÍDEOS: Tudo sobre o RS

FONTE: https://g1.globo.com/rs/rio-grande-do-sul/noticia/2024/06/16/casa-de-70-anos-onde-homem-nasceu-e-viveu-em-porto-alegre-e-demolida-por-causa-da-enchente-a-historia-da-gente-passou.ghtml


#Compartilhe

Aplicativos


Locutor no Ar

Peça Sua Música

No momento todos os nossos apresentadores estão offline, tente novamente mais tarde, obrigado!

Top 10

top1
1. passaro livre

os atuais

top2
2. daqui pra sempre

manu batidao e simone mendes

top3
3. meu mundo

marta miranda

top4
4. pimenta e chocolate

amado batista

top5
5. volte amor

banda aguia

top6
6. cartao bloqueado

amaury junior

top7
7. so uma lajota

cleiton borges

top8
8. nao bebo alcool

rodrigo silva

top9
9. amigo nao beija na boca

terceira dimençao

top10
10. aviaozinho

grupo momentos


Anunciantes